Dieta Cetogénica e Epilepsia

A Epilepsia é uma disfunção temporária da atividade elétrica cerebral, que se assume na forma de crises epiléticas. Estima-se que em Portugal, 40 a 70 mil pessoas sofrem desta doença.

A dieta cetogénica, proposta por Wilder em 1921, é um tratamento não farmacológico utilizado na epilepsia refratária (isto é quando continuam  a existir crises, sem remissão, apesar do tratamento adequado com medicamentos anticonvulsivantes) caracterizado por uma dieta rica em gordura e pobre em hidratos de carbono. O seu mecanismo  de ação não está completamente desvendado, porém são evidentes os efeitos anti-epilépticos observados. Cerca de um terço a metade dos doentes tratados com esta dieta apresentam uma redução das crises epilépticas ou deixam mesmo de acontecer..

Tal  como noutras  terapias, a dieta  cetogénica não é isenta  de efeitos secundários. Desidratação, hipoglicemia, obstipação, recusa alimentar, litíase renal, hipercolesterolemia, hipertrigliceridemia, atraso de crescimento, entre outros, são alguns dos efeitos observados. Contudo, na maioria dos casos não é necessário interromper o tratamento.

Objetivo da dieta cetogénica:

  • Melhorar o controlo das crises e o padrão eletroencefalográfico;
  • Diminuir a utilização de antiepiléticos e consequentemente diminuir os possíveis efeitos secundários;
  • Evitar a possível deterioração neurológica;
  • Controlar a doença metabólica de base, quando existe;
  • Melhorar a qualidade de vida dos doentes e familiares.

 

Diferentes tipos de Dieta Cetogénica:

  • Dieta Cetogénica Clássica envolve  um jejum de 12 a 48 horas, no qual  o doente apenas poderá ingerir água ou  bebidas não açucaradas. Este jejum tem como  finalidade promover um estado de cetose no doente, que é confirmado pela presença de corpos cetónicos urinários. A necessidade de um período de jejum tem sido colocada em causa, no entanto alguns profissionais continuam a preferir esta técnica porque parece reduzir o tempo necessário para a diminuição do número de crises epiléticas. Todo o processo é realizado em internamento com duração de cerca de 5 dias.

Ao longo do tempo foram surgindo outras alternativas à Dieta Cetogénica tradicional, com o intuito de melhorar a qualidade de vida do doente. São alternativas mais liberais, mas que apresentam um efeito semelhante no controlo de crises.

  • Dieta  suplementada  com triglicerídeos de  cadeia média (TCM), considerados   mais cetogénicos que os de cadeia longa ,  tem sido utilizada em alguns casos, permitindo uma oferta maior de hidratos de carbono e proteínas.
  • Dieta modificada de Atkins foi criada para ser menos restritiva e melhorar a palatabilidade. Pode ser iniciada em casa, sem recurso ao jejum. Neste caso os hidratos de carbono estão restritos a 10g por dia em crianças e 20g por dia em adultos, sendo encorajado o consumo de gordura com vista a manter o estado de cetose.
  • Dieta de baixo índice glicémico, que liberaliza a quantidade de hidratos de carbono, mas retira os alimentos com baixo índice glicémico (inferior a 50) de forma a manter os níveis de glicemia estáveis.

Distribuição dos macronutrientes dos quatro tipos de dieta cetogénica

Tipo de Dieta % de Gordura (Valor energético Total) % Proteína (Valor energético Total) % Hidratos de Carbono (Valor energético Total)
Dieta Cetogénica Clássica 90 6 4
Dieta  suplementada  com triglicerídeos de  cadeia média (TCM) 70-75

(30-60 TCM)

10 15-18
Dieta modificada de Atkins 60-65 30 5
Dieta de baixo índice glicémico 60 30 10

 

Exemplo de Dia alimentar 2000 Kcal – Dieta Cetogénica Clássica (3:1)

Pequeno-almoço: Batido (80 ml iogurte grego natural + 30g de morangos +  15g de pinhões + 20 ml azeite girassol + 5 ml azeite de noz + 50 ml de água)

Almoço: Lasanha de abóbora e vitela (100g abóbora + 15g de queijo + 25g vitela + 30 ml Azeite virgem extra + 40 g tomate + 25 g margarina + 10 g cebola)

Lanche: Rolo de presunto recheado (15g de presunto + 15g de nozes + 50g de abacate esmagado com 15 ml de azeite)

Jantar: Mexido de morcela e espargos (10 g pinhões + 20 ml Azeite virgem extra + 15 g morcela + 100 g espargos verdes + 20 ml nata líquida)

Ceia: 150 ml de suplemento rico em gordura com 5g de cacau magro

 

Apesar de haver ainda algumas lacunas sobre a sua forma de actuação, a Dieta Cetogénica pode ser, em alguns casos, eficaz, devendo ser considerada como hipótese no tratamento da epilepsia refratária.

Porém nos dias de hoje há quem utilize a dieta cetogénica com o intuito de perder peso, no entanto esta não é uma dieta equilibrada, uma vez que implica limitações na alimentação. Os grandes fornecedores de vitaminas e minerais como a fruta, os hortícolas e o cereais estão em menor representação.

Se quer emagrecer faça um plano para a vida. Reeducação alimentar é sempre a melhor opção.

 

Referências:

Rola Marta; Vasconcelos Carla. Dieta Cetogénica – Abordagem Nutricional. 2014.

 

Nutricionista Daniela Soares (2237N) – Urbanfit Ermesinde e Maia

Discopatias,